SSD (Sistema Sob Descontrole) – Nova Era

Nascida em 2005 e, agora, com 12 anos de estrada, a banda Paulistana SSD (Sistema Sob Descontrole) lançará seu primeiro disco intitulado Nova Era, no dia 25/06/2017 as 19:00 h. no Espaço Som (Rua Teodoro Sampaio, 512/SP/Capital).
O evento tem entrada de R$ 30,00 além de ter direito à festa de lançamento, também adquire um CD da banda e também terá a participação/abertura da banda Subeclipse.

O disco, que conta com 7 faixas, reflete o que a banda passou nestes 12 anos de estrada, várias mudanças de formações, participações em festivais de renome, podemos citar o Manifesto Rock Fest, tocaram com bandas de peso como Ratos de Porão. É uma mescla de diversos ritmos, sentimentos e vontade de se expressar, de gritar para o mundo.

A banda já havia gravada uma Demo Tape em 2012 e o resultado de Nova Era, seu novo trabalho, é uma mescla de algumas regravações desta Demo com novas composições.

Vamos às faixas:

A primeira faixa, o próprio nome já explica do que se trata, Intro, com menos de 1 minuto de duração. Parece que o som vem de um ambiente apocalíptico, sombrio.

Logo em seguida, porrada na orelha com a faixa Nova Era. Esta faixa teve um videoclipe oficial lançado em 04/07/2016, que remete ao tema de abuso sexual em uma situação real vivida pelo vocalista.

O assunto é difícil, mas o silêncio pode fazer que o crime aconteça durante longos períodos, às vezes anos, em uma
situação de clara impunidade contra o agressor”, finaliza Renan.

Nesta mesma música, quem puder conferir no encarte, a letra termina com as seguintes frases:” I hate your face! Your face I hate!“.

Só quem já passou por isso sabe do sofrimento que é de denunciar e ir à público falar sobre e exigir punição aos seus
agressores.

Quem puder acessar o site da banda, lá tem maiores detalhes sobre o tema (http://ssdoficial.com.br/noticias-ssd/).

Na sequência temos Retratos da Realidade que mostra para a sociedade os efeitos que a tecnologia tem em nossas vidas e o quanto as mesmas mudam o nosso cotidiano.

É impressionante uma situação que, atualmente, acontece com certa frequência e que está no “automático” das pessoas: uma pessoa nem bem chega direito em sua casa ou a algum local comum e já pergunta sobre senha wi-fi, esta música é para vocês!

O disco segue com Belas Faces. Escolheria esta como primeira faixa de divulgação e um videoclipe. A música é muito boa e o refrão é bem forte e fica na mente, suavemente.

O Antigo e o Moderno é a faixa mais tranquila e atípica do disco, diferente de todas as outras, mas nem por isso com menos importância.

A sexta faixa, Arte Sufocada é a minha preferida do disco.

Começa bem rápida, com riffs bem pesados, poderia continuar assim até o final, porém muda-se seu andamento, parecendo até mesmo outra música, mas todo o peso volta, os vocais guturais dão um ar mais próprio à música.

Letra incrível e melodia ímpar com o bom peso que a banda carrega. Li que esta faixa foi a primeira música que ganhou o primeiro videoclipe da banda.

O disco fecha com O Meu Silêncio. Esta, assim como a faixa número 04, Belas Faces, também optaria a ariscar para um videoclipe. A melodia e refrão ficam na mente. E o legal de tudo isso é que tem a participação de Teco Martins da banda Rancore.

É a maior faixa do disco e quando se houve parece que tem duas partes. Ouça e entenda o que quero dizer.

Arte
Excelente capa! Não consigo descrever aqui detalhadamente o que é, mas sei que gosto, e muito!
Todo o encarte é P/B, possuem letras, fotos, agradecimentos, produção, masterização, direção de arte, tudo nos conformes.

No Geral
Legal que é pesado, legal que é cantado em português, porém penso que a banda poderia deixar mais em evidência uma marca, uma identidade própria“, este foi o meu primeiro pensamento ao ouvir o disco pela primeira vez. No começo achei que era uma banda que não tinha identidade definida, algo que a definia como SSD, porém, aos poucos fui entendendo e me convencendo de que esta é justamente a identidade da banda, esta mistura, esta miscigenação de sentimentos e explosões sonoras, não ficar preso na mesmice de um determinado ritmo, melodia, parabéns! Vocês me surpreenderam e tenho certeza que está surpreendendo muita gente do meio por aí e a cada dia!

SSD é a mistura de rap ou funk metal tipo Bioharzard, versos, rimas e letras que refletem o nosso cotidiano, por isso quem puder acompanhar as letras do encarte é uma boa.

Se é metal core, funk metal, eu até li em um release da banda como Groove Metal, bem, o rótulo não importa, o que importa é o feeling e garra da galera pra poder fazer um som verdadeiro.

Parabéns para a banda por ter atitude de levantar a bandeira sobre denúncia com o tema abuso sexual. Vamos apoiar as pessoas das quais tiveram coragem de denunciar e encorajar as que se sentem acuadas em seus lares, trabalhos e  escolas.
Vamos gritar para a sociedade que não podemos mais tolerar a impunidade de um tema como este!

Gente, prestem atenção, ouçam… a banda SSD TEM MUITO À DIZER!
E o que nós podemos dizer é que vão levar 8 brejas estupidamente geladas!

Formação atual:
Renan Ricci – Vocal
Caio Maior – Guitarra
Bruno Almeida – Baixo
Henrique Polak – Bateria

Track List
01 – Intro
02 – Nova Era
03 – Retratos da Realidade
04 – Belas Faces
05 – O Antigo e o Moderno
06 – Arte Sufocada
07 – O Meu Silêncio

NOTA: 08/10

About Alex Silva

Headbanger desde que se conhece por gente, Design Gráfico de formação, fissurado por discos de vinil de bandas de hard/rock/metal/punk nacional dos anos 80/90´s, no entanto um apreciador de uma boa música, independente de estilos.

Check Also

Rhapsody anuncia novas datas da 20th Anniversary Farewell tour na América Latina em 2018

Comentários no Facebook

Comentários

%d blogueiros gostam disto: